English     Español

A primeira rota aérea do Brasil foi inaugurada no dia 3 de fevereiro de 1927, às 8 horas da manhã. Era a conhecida como "Linha da Lagoa", pois ligava as cidades de Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande, com hidroaviões que decolavam e pousavam na Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul. O voo durava cerca de 2 horas e 20 minutos, a uma velocidade de cruzeiro de 160km/h, a uma altitude de 20 a 50 metros do solo e foi a primeira rota da VARIG, operada com o Dornier Wal "Atlântico".


Linha da Lagoa

 

Depois do "Atlântico", a rota também foi operada pelo Dornier Merkur "Gaúcho". Após a "Linha da Lagoa", a VARIG expandiu suas rotas para o interior do Rio Grande do Sul. Em abril de 1932 foram inauguradas as rotas para Livramento, Santa Cruz, Cruz Alta e Santana do Livramento. Com a vinda de mais aeronaves Junkers, a VARIG estendeu suas rotas para cidades como Uruguaiana, Bagé, Santa Maria, Santo Ângelo, Rosário, Passo Fundo e Caxias.
Na década de 40, a VARIG expandiu suas rotas para além das fronteiras do Rio Grande do Sul, chegando em cidades em Santa Catarina, Paraná e as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. No dia 5 de agosto de 1942 a VARIG inaugurou a sua primeira rota internacional, ligando Porto Alegre a Montevidéu, capital do Uruguai. Pouco tempo depois, a rota foi estendida para Buenos Aires, capital da Argentina.

A aquisição da Aero Gal, em maio de 1952, possibilitou à VARIG estender as suas linhas para o Nordeste do Brasil. Com aeronaves C-46 e DC-3, a VARIG chegou em Vitória, Belmonte, Salvador, Aracajú, Penedo, Maceió, Recife, João Pessoa, Natal, Fortaleza, São Luis e Belém. Em julho de 1953 a VARIG inaugurou a linha Rio de Janeiro - Buenos Aires. Mas a grande novidade ficou por conta da primeira rota intercontinental para os EUA com os luxuosos Lockheed Super G Constellation. A rota foi inaugurada em julho de 1955 e os Constellations ligavam os EUA à América do Sul na rota Buenos Aires - Montevidéu - Porto Alegre - São Paulo - Rio de Janeiro - Belém - Trujillo - Nova York - Port of Spain - Rio de Janeiro - São Paulo - Porto Alegre - Montevidéu - Buenos Aires.


Rotas regionais / Rotas domésticas / Rotas internacionais

 

Tudo mudou em setembro de 1959, quando Caravelle da VARIG, o primeiro jato do Brasil, começou a operar na rota Rio - Nova York. Com os jatos, o tempo da viagem foi reduzido de 25 horas para 14 horas. No dia 22 de junho de 1960, os Boeing 707-441 assumiram a rota tornando a viagem ainda mais rápida. Agora a ligação entre o Rio de Janeiro e Nova York era feita em apenas 9 horas e sem escalas. Devido a uma obra na pista do aeroporto do Rio de Janeiro, os B707 passaram a fazer a rota para Nova York a partir de Brasília temporariamente, criando a rota Brasília - Nova York.
Depois da aquisição do consórcio Real-Aerovias-Nacional, em agosto de 1961, a VARIG passou a operar para uma infinidade de destinos nacionais, operando em mais de 90 cidades no Brasil. No mercado internacional, a compra possibilitou a VARIG chegar em Lima, Bogotá, Caracas, Cidade do México, Miami e Los Angeles.


Rotas domésticas / Rotas internacionais

 

Em fevereiro de 1965 a VARIG assumiu as rotas da Panair do Brasil para Europa. Com isso a VARIG passou a operar para Lisboa, Madrid, Monróvia, Ilha do Sal, Dakar, Beirute, Roma, Milão, Zurique, Paris, Frankfurt, Londres e Santiago do Chile.
Mais tarde, em 1968, a VARIG expandiu ainda mais as suas rotas internacionais, inaugurando voos para Copenhagen e Tokyo. Os voos para Copenhagen eram operados a partir do Rio de Janeiro, com escala em Roma e os voos para Tokyo, também a partir do Rio e com escalas em Lima, Los Angeles e Honolulu. Posteriormente a escala em Honolulu foi cancelada.
Inicialmente os voos para Tokyo eram operados duas vezes por semana. Em 1970 os voos para Tokyo passaram a ser três vezes por semana e os voos para Europa chegaram a doze por semana.
Nessa época a intenção da VARIG era conseguir dar a volta ao mundo como já faziam empresas aéreas como a Pan Am. A rota para o Japão foi um passo nesse sentido.


Rotas
internacionais

 

Nos anos 70, houve uma grande mudança no mercado doméstico brasileiro. Com a introdução dos jatos, as rotas regionais foram sendo abandonadas e as companhias aéreas passaram a focar somente nos grandes centros. Com isso, o governo federal resolveu criar a SITAR (Sistema de Transporte Aéreo Nacional). Em 1976 a VARIG criou a sua subsidiária Rio Sul, que passou a operar rotas regionais nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Rio de Janeiro. Como consequência, a VARIG abandonou de vez as rotas regionais, passando a operar somente nas grandes cidades, reduzindo assim a malha nacional da VARIG. Porém a VARIG continuou a sua política de expansão para as linhas internacionais e lançou voos para África, além de ampliar a presença na América Latina, EUA e Europa. No ano de 1970 foi inaugurada a linha Rio de Janeiro – Luanda – Johanesburgo.
A compra da Cruzeiro, em 1975, permitiu que a VARIG espandisse as suas rotas na América do Sul para Bolívia, Equador, Guiana Francesa e Suriname.

 
Rotas Rio Sul / Rotas internacionais / Rotas domésticas

 

Nos anos 80 houve uma consolidação das rotas já operadas pela VARIG. Além disso houve uma pequena expansão no número de destinos nacionais, puxado principalmente pela expansão da Rio Sul, e de destinos internacionais como Iquitos, São José, Amsterdam, Toronto e Montreal.


Rotas domésticas / Rotas internacionais

 

No inicio dos anos 90, a VARIG alcançou o maior número de destinos internacionais servidos em toda a sua história com o lançamento das rotas para Chicago, Atlanta, Washington, Cancun, Nagoya, Bangkok, Hong Kong e Munique. A Rio Sul se expandiu, ultrapassando as fronteiras do Sul e Sudeste do Brasil e comprou a Nordeste Linhas Aéreas, em 1995, chegando ao Nordeste e Norte também.
Também em 1995, a VARIG passou a comandar a Pluna (companhia aérea do Uruguai), expandindo suas rotas a partir de Montevidéu para Punta del Este, Buenos Aires, Assunção e Santiago do Chile.


Rotas Pluna

Rotas domésticas VARIG, Rio Sul e Nordeste (clique para ampliar)

 


Rotas internacionais (clique para ampliar)

Os anos 2000 foi marcado por uma racionamento da malha doméstica e internacional. Agora que a VARIG fazia parte da Star Alliance, a empresa podia alcançar mais de 124 países com acordos de Code-Share. Isso permitiu que a VARIG diminuísse a quantidade de destinos internacionais, porém continuasse vendendo bilhetes para estes e muitos outros destinos em voos operados por companhia parceiras.
Em 2003/2004 houve a fusão da VARIG com a Rio Sul e Nordeste, e sendo assim a malha doméstica foi totalmente reformulada.

 
Rotas domésticas / Rotas internacionais

 


Destinos internacionais servidos pela VARIG desde a sua fundação

 

 


Veja também as propagandas da VARIG!

 

 

 

PÁGINA INICIAL

História
Anos 20
Anos 30
Anos 40
Anos 50
Anos 60
Anos 70
Anos 80
Anos 90
Anos 2000

 

Aeronaves
Dornier Wal "Atlântico"
Dornier Merkur "Gaúcho"
Klemm L-25
Junkers A-50
Junkers F-13
Messerschmitt 108 "Taiffun"
Messerschmitt M20
Junkers JU52
Fiat G2
De Havilland DH89A
Lockheed Electra I
Nordwyn UC641
Douglas DC-3
Curtiss C-46

Convair 240
Lockheed Super G Constellation
Caravelle 1
Boeing 707-441
Douglas DC-6
Lockheed Electra II
Convair 990A
Douglas DC-8-33
Boeing 707-320
HS-748 "Avro"
Boeing 727-100
Boeing 737-200
Douglas DC-10-30
Airbus A300B4
Boeing 747-200
Boeing 747-300
Boeing 767-200ER
Boeing 737-300
Boeing 767-300ER
MD-11
Boeing 747-400
Boeing 737-700
Boeing 737-800
Boeing 777-200ER
Boeing 757-200

 

Rotas

 

Website
1996
2000
2002
2004
2005

 

Grupo Varig
Fundação Ruben Berta
FRB-PAR
VPSC
Ícaro Brasil
Rio Sul e Nordeste
Varig Cargo e Varig Log
Varig VEM

 

Marketing
1927-1969
Anos 70 e 80
Anos 90 e 2000

 

Design

 

Coleções
A bordo
Cartão Postal, Imagens e outros
Imagens das aeronaves
Logotipos & Passagens
Time Table