English     Español
 
Fundação Ruben Beta > FRB-Par  > VARIG

 > VPTA

 > VPSC

 > Varig Cargo/Varig Log, Varig VEM, Pluna Uruguay

 > Rio Sul, Nordeste, Rotatur

 > SATA, Tropical, Amadeus Brasil, Varig Travel, Ícaro Brasil

 


A VEM (Varig Engenharia e Manutenção) é a empresa de manutenção de aeronaves do grupo VARIG. A VEM se situa entre os dez melhores centros de manutenção de aeronaves do mundo, além de ser o maior da América Latina.

A VEM foi criada no dia 22 de outubro de 2001, mas o seu legado vem desde 1927 com a criação da VARIG. A primeira turma de mecânicos da Varig era formada por alemães. Somente na Segunda Guerra Mundial, os primeiros mecânicos brasileiros começaram a aparecer.

No anos 30, a era dos hidroaviões chegou ao fim e teve inicio a era dos aviões terrestres. A VARIG adquiriu aeronaves Junkers e Messerschmitt. A aviônica surge nessa época, com o rádio tornando-se essencial para a aeronavegabilidade. Foram criadas várias estações de rádio ao longo das rotas daquela empresa, para orientar seus pilotos, e seus técnicos tiveram que aprender a consertar os equipamentos. Até então predominara a tecnologia alemã, mas na Segunda Guerra ficou difícil importar peças daquele país. Por isso, os mecânicos tiveram que criar meios de estender a vida útil de cada componente, até mesmo fabricando o material que faltasse. Tais dificuldades proporcionaram o desenvolvimento de oficinas especializadas – motores, rádio, estruturas – e um incremento do conhecimento da tecnologia aeronáutica.

Nos anos 40 a VARIG renovou a frota com novas aeronaves De Havilland, Lockheed Electra, Douglas DC-3 e Curtiss C-46. Os Lockheed L10E Electra traziam evoluções tecnológicas como hélices de passo constante, trem de pouso retrátil, rádio de última geração, equipamento para vôo por instrumentos e um sistema elétrico complexo.
Com o Curtiss C46, a equipe de mecânicos da VARIG teve que usar da criatividade para atender a uma norma do governo argentino, que determinava que somente quadrimotores poderiam trafegar em seu território. A solução foi adaptar jatos de propulsão auxiliar nas asas dos Curtiss Commander, que eram usados apenas em decolagens ou nas aterrissagens em que havia chance de arremeter.

Com a introdução de aeronaves cada vez mais complexas como o Constellation, a VARIG passou a investir cada vez mais em manutenção. Com a introdução dos jatos Boeing 707 e Caravelle 1, as oficinas da Varig em Porto Alegre já eram as mais completas e preparadas da América do Sul. Os Constellation ficaram conhecidos entre os mecânicos como "o melhor trimotor do mundo", pois constantemente um dos seus quatro motores apresentavam problemas.
A vinda do Caravelle estabeleceu o Rio de Janeiro como novo centro de operações para a empresa, de onde partiam seus vôos para Nova York. Nessa época, já havia instalações para manutenção e reparo na antiga capital federal, e as três bases tiveram que ser ampliadas para entrar na era do jato. Mecânicos e engenheiros foram fazer cursos nos Estados Unidos e na França, antes mesmo das aeronaves terem chegado. Esta nova onda de tecnologias variadas chegou num momento diferente para o setor de engenharia e manutenção. Com um forte investimento em equipamentos e na capacitação do seu pessoal, a empresa se colocou à frente das inovações. Isso permitiu a ampliação dos serviços prestados a outras companhias aéreas – o que já fazia desde os tempos do Atlântico. Graças ao incremento da eficiência, o que era um serviço interno virou um negócio.

Depois de Porto Alegre, o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, foi o escolhido para receber o maior CEMAN (Centro de Manutenção) da América Latina com uma área de 200 mil metros quadrados. Apenas o hangar principal é o maior da América Latina e o quinto maior do mundo, capaz de abrigar três Boeing 747 simultaneamente. O CEMAN do Rio foi construído durante a década de 70 e inaugurado em 1980. Nos anos seguintes, a VARIG promoveu o contínuo aprimoramento de equipamentos e das instalações no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, para obter homologação de uma gama cada vez maior de aeronaves. O Centro de Manutenção de São Paulo passou a concentrar o atendimento à aviação regional e corporativa.

Em 2001, o que era uma unidade de negócios se transformou em uma empresa independente – a VEM Manutenção e Engenharia S.A. – com a tarefa de prover soluções eficientes em engenharia e manutenção aeronáutica, de acordo com as exigências das autoridades do transporte aéreo, elevado nível de qualidade e pontualidade, prazos e preços de mercado competitivos, buscando sempre exceder as expectativas de clientes e acionistas. As oficinas da VEM são autorizadas por vários órgãos internacionais incluindo dos EUA e Europa. Tanta qualidade e eficiência atraíram clientes até do outro lado do mundo como o caso da Thai Airwyas, que fez suas aeronaves atravessarem meio mundo para fazer a manutenção nos hangares da VEM. Além da aviação comercial, a VEM também atende a aviação militar, tendo como clientes as Forças Aéreas Brasileira, Argentina, Uruguaia e Peruana, e a aviação executiva.

 

 

CEMAN Porto Alegre

CEMAN Porto Alegre
Localização: Aeroporto Internacional Salgado Filho

Nº hangares: 5
Capacidade para aeronaves de grande porte: 1
Capacidade para aeronaves de médio porte: 5

Área: 78 mil m²

Foi o primeiro centro de manutenção da VARIG. Hoje é especializado em aeronaves de médio e pequeno porte.

 

 

CEMAN Rio de Janeiro

CEMAN Rio de Janeiro
Localização: Aeroporto Internacional do Galeão
Nº hangares: 1
Área do hangar: 11 mil m²
Capacidade para aeronaves de grande porte: 4

Área: 200 mil m²

O Centro de Manutenção do Rio de Janeiro foi construído na década de 70 e é especializado na manutenção de grandes jatos. A localização foi escolhida, porque na época o Aeroporto Internacional do Galeão era a base da VARIG para todos os seus vôos internacionais.

Ficha Técnica - VEM

 

Funcionários:

Mais de 3900

Centros de Manutenção:

• Rio de Janeiro (Aeroporto Internacional Tom Jobim)
• Porto Alegre (Aeroporto Internacional Salgado Filho)

Hangares:

6  com 27 mil m²

Atividades da Empresa:

Manutenção pesada
Revisão geral de Componentes
Motores e APUs
Trens de pouso
Aviônicos
Manutenção de Linha, Checks Diários e Boletins de Serviço
Reconfiguração de interiores, Projeto de Design e Reparos Estruturais
Engenharia de Suporte e Projetos
Componentes Hidráulicos, Óleo e Combustível, Pneumáticos e Mecânicos
Acessórios Mecânicos
Treinamento Técnico
Rodas e Freios
Conversão de Passageiro para Cargueiro – B767

 Checks:

 A, B, C, D

 Aeronaves Atendidas:

Airbus A300
Airbus A310
Airbus A330
Airbus A340
ATR-42/72
Boeing 727
Boeing 737
Boeing 747
Boeing 757
Boeing 767
Boeing 777
Boeing BBJ
Boeing DC-10
Boeing MD-11
Embraer EMB-120
Embraer ERJ-135/145
Embraer E-170/175/190/195
Embraer Legacy
Fokker F-50

 Principais Clientes:

Aerolineas Argentinas, Aerolineas Sudamericanas, Air Atlanta Icelandic, Air Comet, Air Europa, Air Minas, Air Transat, Alitalia, Avianca, Arrow Cargo, Aviation Capital Group, Avitas, AWAS, Bavaria, Boeing, Centurion Air Cargo, Cielos Airlines, Copa Airlines, Embraer, Euro Atlantic, Express.Net, Fuerza Aerea de Chile, Fuerza Aerea Uruguaya, GECAS, Gemini Air Cargo, Gol, IAI-Israel Aircraft Industries, ILFC- International Lease Finance Corporation, KD Avia, LAB- Lloyd Aereo Boliviano, Lan Chile, Macquarie, Pegasus Air Express, Pluna, Oceanair, Pantanal, Passaredo, Puma Air, Rico, Republica del Peru Fuerza Aerea, Santa Barbara Airlines, Sojitz, Southern Winds, TAAG, Taf, Tam, TAP Portugal, Total, Trip, Thai, Ukraine International Airlines, Webjet, White.

 Certificações:
FAA – Estados Unidos

EASA – União Europeia

ANAC – Brasil

INAVIC – Angola

DNA – Argentina

BNA – Bermudas

DGAC – Bolívia

TCCA – Canadá

DGAC – Chile

IACC – Cuba

DGAC – Peru

 

VARIG Flight Traning Center

A história do VARIG Flight Traning Center teve inicio em Porto Alegre, no ano de 1945. No final dos anos 60 a estrutura foi transferida para o Rio de Janeiro, criando o Centro de Treinamento de Operações de Vôo.
Hoje o centro conta com 30 salas de aula, 7 simuladores de voo, 57 computadores para treinamentos, 5 FTD e 4 replicas de cabine de passageiros. Além do treinamento de pilotos, o VARIG Flight Traning Center também realiza treinamento para comissários, treinamento de sobrevivência na selva e no mar, combate ao fogo à bordo.

 

 

 

 

 

PÁGINA INICIAL

História
Anos 20
Anos 30
Anos 40
Anos 50
Anos 60
Anos 70
Anos 80
Anos 90
Anos 2000

 

Aeronaves
Dornier Wal "Atlântico"
Dornier Merkur "Gaúcho"
Klemm L-25
Junkers A-50
Junkers F-13
Messerschmitt 108 "Taiffun"
Messerschmitt M20
Junkers JU52
Fiat G2
De Havilland DH89A
Lockheed Electra I
Nordwyn UC641
Douglas DC-3
Curtiss C-46

Convair 240
Lockheed Super G Constellation
Caravelle 1
Boeing 707-441
Douglas DC-6
Lockheed Electra II
Convair 990A
Douglas DC-8-33
Boeing 707-320
HS-748 "Avro"
Boeing 727-100
Boeing 737-200
Douglas DC-10-30
Airbus A300B4
Boeing 747-200
Boeing 747-300
Boeing 767-200ER
Boeing 737-300
Boeing 767-300ER
MD-11
Boeing 747-400
Boeing 737-700
Boeing 737-800
Boeing 777-200ER
Boeing 757-200

 

 

Rotas

 

Website
1996
2000
2002
2004
2005

 

Grupo Varig
Fundação Ruben Berta
FRB-PAR
VPSC
Ícaro Brasil
Rio Sul e Nordeste
Varig Cargo e Varig Log
Varig VEM

 

 

Marketing
1927-1969
Anos 70 e 80
Anos 90 e 2000

 

Design

 

Coleções
A bordo
Cartão Postal, Imagens e outros
Imagens das aeronaves
Logotipos & Passagens
Time Table